A Prefeitura de Campo Grande, por meio da Diretoria de Assistência à Saúde, sob coordenação de Assistência Farmacêutica da Secretaria Municipal de Saúde Pública (SESAU) vem desenvolvendo projeto piloto de implantação do Serviço de Farmácia Clínica em sua rede.

Pacientes de cinco Unidades Básicas de Saúde, em caráter experimental, vêm recebendo orientação e apoio para o uso de medicamentos, em especial para o controle de pressão arterial e nível glicêmico para pacientes diabéticos.

A Farmácia Clínica é a ciência da saúde cuja responsabilidade é assegurar, mediante a aplicação de conhecimentos e funções relacionadas aos cuidados dos pacientes, que o uso de medicamentos seja seguro e apropriado.

O acompanhamento dos pacientes em relação ao tratamento e ao racional dos medicamentos é uma inovação e pretende abranger 70% das farmácias da Rede Municipal de Saúde (Remus), na educação do usuário sobre seus medicamentos e problemas de saúde, de modo a aumentar sua autonomia sobre o tratamento e promover o autocuidado apoiado. Os farmacêuticos da Remus irão orientar os usuários sobre o uso correto dos medicamentos, os riscos da interrupção total ou parcial do uso dos medicamentos, bem como a automedicação e os perigos de autoadministrar outros medicamentos durante o tratamento.

Este trabalho, que não prevê a implantação do serviço de farmácia clínica das unidades de urgência/emergência (CRSs, UPAs, CAPS3) e priorizará a atenção primária em saúde (PSF e UBS) conta com o apoio do Conselho Regional de Farmácia e estará implantado na sua totalidade prevista em agosto de 2016.

O projeto piloto trabalha com o treinamento dos apoiadores (profissionais farmacêuticos) e primeiros atendimentos aos pacientes que, após o atendimento médico e com sua receita em mãos, segue para uma sala onde conversará com o farmacêutico que irá orientá-lo sobre o uso dos medicamentos e, se necessário, o correto descarte de medicamentos anteriores. Os pacientes com medicamentos de uso contínuo, recebem uma caixa de guarda dos medicamentos elaborada de forma a evitar a repetição de um mesmo medicamento, por esquecimento ou descuido, e o controle dos horários.

Fonte: Prefeitura de Campo Grande